Browse By

Tag Archives: LGBTI

Helena Vieira

Helena Vieira é uma ativista, feminista e intelectual trans. Recentemente foi pré-candidata à prefeitura de Fortaleza e é bastante atuante nas mídias sociais. Formada em , produz ótimos e sensatos textos sobre temas atuais, utilizando como base téorica intelectuais pós-estruturalistas (Michel Foucault, Judith Butler e

Luís Antônio Gabriela – Cia Mungunzá de Teatro

Sinopse: Por meio de levantamentos biográficos que consistem em fotografias, diários, cartas, entrevistas com familiares e amigos, a Cia Mungunzá de Teatro apresenta ao público a transformação de Luis Antonio em Gabriela. Partindo de diferentes pontos de vista, como do irmão caçula que foi abusado

Série A Vida Como Ela É

Sinopse: “A vida como ela é” traz histórias dos melhores contos de Nelson Rodrigues, o Maior dramaturgo brasileiro de todos os tempos. Histórias de amor, mistério, traição e humor que recriam o universo rodrigueano em quarenta episódios. Mulheres insaciáveis, maridos traídos, ninfetas sensuais: os imortais

Trailer do filme Laurence Anyways

Sinopse: Na década de 90, Laurence diz para sua namorada que deseja fazer uma cirurgia de redesignação sexual. Juntos eles enfrentam os riscos, os preconceitos dos amigos e da sociedade. Durante 10 anos eles vivem juntos e tentam superar as dificuldades para conseguir viver esse

Trailer do filme XXY

Sinopse: Alex, uma adolescente de 15 anos, carrega um pesado segredo – possui características sexuais de ambos os sexos. Pouco depois de seu nascimento, seus pais decidem sair de Buenos Aires para a costa uruguaia, numa casa perdida entre as dunas. Ali, recebem a visita

Trailer do documentário Dzi Croquettes

Sinopse: A trajetória do irreverente grupo carioca Dzi Croquettes, que marcou o cenário artístico brasileiro nos anos 70. O conjunto contestava a ditadura por meio do deboche e da ironia e defendia a quebra de tabus sociais e sexuais. O grupo é lembrado por depoimentos

Trailer do filme Madame Satã

Sinopse: Lapa anos 30: o cotidiano e a intimidade de João Francisco dos Santos – malandro, artista, presidiário, pai adotivo, negro, pobre, homossexual – e seu círculo de amigos, antes de se transformar no mito Madame Satã, lendário personagem da boêmia carioca.